quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Dois mil e dez sem cinco manias

Se é para entregar, eu entrego. Aqui estão, as minhas 5 manias mais estranhas que eu pretendo (tentar) alterar em 2010:
1- Obsessão por comprar maquiagem e esmaltes (futilidade impera por aqui);
2- Gastar meu tempo procurando algo que eu provavelmente não terei dinheiro para comprar e desejar esse objeto por meses (tipo o scarpin fluo da Maria Bonita Extra ou as sombras neon da MAC);
3- Essa mania vai para o meu namorado: dormir. Sim, eu tenho mania de dormir MUITO. Depois do almoço, depois que acordo, na sala, no quarto, na minha casa ou não. Tanto faz, meu negócio é dormir. Isso necessita de um fim urgente, antes que acabe com meu namoro;
4- Postar coisas depressivas e de baixa-estima no meu blog. Preciso parar com isso também, auto-piedade cansa, né não?
5- Para terminar, a mania que mais me prejudica: reclamar. Tenho mania de reclamar da vida, do dia, da noite, do sol, da chuva, da roupa, da família, de mim mesma e dos meus cachorros. Sim, eu reclamo muito. E para começar, vou finalizar esse top 5, parando de reclamar das minhas manias. Um ótimo começo para um ótimo novo ano.
Com ou sem manias, que venha 2010!

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Para todos que passarem por aqui:

um feliz Natal
cheio de paz
família
e comida boa.
sentimentos bons
e aquele sentimento em especial,
de que mesmo tudo estando errado
uma hora vai dar certo,
uma pitadinha de otimismo.
amém.

domingo, 20 de dezembro de 2009

PARABÉNS, CREME DE LEITE!

Hoje é um dia especial! E como todo dia especial merece atos especiais, eu, Tamara (@tatadantas ;), venho invadir o blog da Ferr pra dar parabéns pra ela ^^

FER! Tudo bem que você vai querer me matar depois disso, mas nem ligo =P Tô aqui pra te desejar um FELIZ ANIVERSÁRIO! Tudo de muuuito bom pra você! Que TODOS os seus sonhos se tornem realidade e que você seja muito feliz. Desejo do fundo do meu coração (lembrei de Sandy e Jr, e você? LOL) que apenas coisas boas aconteçam na sua vida. Que Papai do Céu permita que ano que vem você esteja morando na Cidade Maravilhosa, cheia de encantos mil OOOEE. Creme de leite, continue sendo sempre essa menine incrível que você é. Muito obrigada, e eu acho que falo isso em nome de muitas pessoas, por ser você. Fernanda Paiva: sf - amiga, gentil, simpática, mano-djow, maluca, teimosa, legal, amável, romântica quando possível, realista sempre que dá, parnasiana em todos os momentos =P Chega de adjetivos que isso já tá ficando com cara de quinta série =X Quero ouvir o mundo falar da senhorita, ok? Não deixe que NADA te impeça de seguir sempre em frente, com a cabeça levantada, correndo atrás de seus objetivos. Nunca deixe de sorrir.

PARABÉNS, FERR! Só se faz 19 anos uma vez na vida, e isso só serve pra confirmar as conquistas dos 18 anos. Já pode ir pro buteco! AEAEAEAEEA -nn Lembre-se que você tem muito o que viver e aprender ainda. Eu acho que você deve tá fazendo UFF agora (não tenho certeza), mas saiba que eu tô aqui torcendo! Se não der certo pra 2010, vai dar pra 2011. Quanto mais tempo levamos pra entrar na faculdade, mais estaremos amadurecendo e nos preparando para os "nãos" da vida. ^^

E eu ainda não esqueci que você vai trabalhar na MTV e organizar o "Acustico NX Zero - 10 anos de sucesso". Vai conseguir me colocar no camarim e eu vou tirar foto com o Gee (embora eu nem goste mais de NX UHASHUASUHAUHSUHAS). Depois, você será transferida pra MTV dos Eua e prestará concurso pra NASA. Primeiro lugar geral procê. Aí, vai colocar "Star Girl" pra tocar no espaço (de novo) e arranjar umas passagens intergaláticas pro Tom e pra mim *-* Quando você conquistar o mundo e comprar todos os chocolates existentes, vai ir com o Will (que o João não leia isso =X) em direção do pôr do sol com uma super moto. Esse é o futuro que eu acho que você merece ter. Se ele não chegar, acho que não importa muito. O que eu quero é que você ache um lugarzinho nele pra sua amiga aqui. A gente vai fazer faculdade de história juntas, lembra? Uhul! Estácio em 2063 (y)

Saiba que eu sempre vou estar aqui. Se precisar de alguma coisa, é só acenar. Parabéns, Creme de Leite! (aprendi com você essa coisa de retomar o título no final da redação LOL)

Tata XD

Um presente para Fernanda...

...afinal, dia vinte de dezembro é o dia dela. é meu dia. mais um ano de vida e de sonhos. mais um ano que passou. mais experiência (ou quase isso). e no fim, menos eu sei. minhas dúvidas, certezas e desejos são proporcionais a minha idade. e é por isso que eu quero mais anos de vida. para tirar todas a minhas dúvidas, concretizar (ou não) minhas certezas e realizar todos meus desejos. para falar a verdade, eu nunca gostei de aniversários. mas esse ano (depois de muito custo) a minha ficha caiu: quanto mais aniversários, mais vida. por isso, eu não vou me desejar "feliz aniversário". e sim, "feliz vida". porque esse foi o maior presente que eu recebi desde que nasci. a chance de viver bem, feliz e com uma família perfeita que me ama. e é só isso. só isso que eu quero e preciso.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Guia de pervisões

Sente ai. Isso mesmo, sente-se ai. Relaxe. Porque meu guia de previsões para 2010 deixa qualquer revista de fofoca e qualquer mãe Dina no chinelo. Minha bola de cristal nunca erra. E ai que eu digo, finalmente Rihanna conseguirá ser nomeada como uma espécie exótica em extinção por culpa de seus ousados modelitos. Angélica e Luciano Huck vão ter trigêmeos e Angelina Jolie e Brad Pitt vão adotar mais dois. Wanessa ex-Camargo vai gravar um CD sertanejo e Cláudia Leitte, vários covers da Ivete Sangalo. Madonna vai trocar Jesus Luz por alguém mais novo (hum, mistério) e Jesus Luz aparecerá com a Suzana Vieira. Para finalizar, Dilma vencerá as eleições e Lula migrará para o nordeste (sabe como é, processo inverso de migração: de volta para minha terra). Bispo Edir Macedo participará de uma edição especial da Fazenda, incluindo mais participantes especiais como Sarney, Collor e Arruda. Obama finalmente merecerá o Nobel da paz acabando com a industria de armamentos dos EUA (risos). O futuro do Brasil na copa está meio embaçado aqui, mas dá para ver que o Flamengo vencerá novamente o Brasileirão. Pois é, 2010 promete. Ah, se promete.

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

sábado, 21 de novembro de 2009

Um ser gay

Adoro a capacidade que nós desenvolvemos ao longo do tempo de ignorar certas coisas porque elas são diferentes. Ah, eu também adoro ser irônica. Bom, cada vez mais os homossexuais estão sendo bem aceitos. Por que não um personagem de uma revista em quadrinhos que faz tanto sucesso ser gay? Ué, o próprio Maurício de Sousa disse que a revista seria direcionada a um público adolescente/ adulto, não infantil. Estamos no século vinte e um. Já vivemos tanta coisa, temos tantos problemas para resolver. Me diz, por que uma história em quadrinhos que mostra um personagem muito comum na vida real deve ser tão polêmica? Sem contar que ser homossexual não é questão de influência, e sim de opção, pensamentos, desejos... Muitos já nascem no sexo errado. Não acho que um personagem, um ser gay, possa ser má influência para crianças que por acaso venham a ler as tais histórias. Melhor que as crianças convivam desde sempre com as diferenças. Tenham pensamentos mais abertos. E quem sabe, aprendam a ser bem melhores do que somos hoje.

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Antes que o mundo termine..

Se o mundo fosse acabar em 2012, eu com certeza me endividaria até o pescoço só para ter uma bolsa da chanel, casaria com meu namorado e sairia com ele para conhecer o maior número de lugares que eu nunca fui e culturas que eu nunca provei. Mas o mais importante é que eu faria de tudo para viver sem arrependimentos até o último minuto. Clichê? É, mas realizada até o fim.

sábado, 14 de novembro de 2009

Dois mil e nove e eu

O meu ano (até agora) foi uma receita gigante de bolo. Com direito a indecisão, felicidade, preocupação, uma pitada de tristeza (bem pouquinho mesmo) e muita nostalgia. 2009 tem sido um ano meio estranho. Não fiz grandes realizações e nem grandes descobertas. Fiz um ano de cursinho. Fiquei com medo de fazer jornalismo, mas por fim descobri que é isso mesmo que eu quero (agora as inscrições já estão feitas e não tenho mais como voltar atrás). Esse foi o primeiro ano morando perto do meu namorado, ano passado era ele no Paraná e eu no Rio de Janeiro e foi o primeiro ano longe de quase todas minhas amigas. Cada uma foi para um canto, afinal esse também foi o primeiro ano após o término do colégio. Praticamente um ano inovador e ao mesmo tempo sem novidades. Não sei se esse foi um ano que marcou minha vida, mas sei que depois dele eu aprendi a valorizar quem me ama (ou no mínimo faz de conta que me ama). Sei que eu esse ano me deixou morrendo de saudades do ensino médio e morrendo de vontade de passar no vestibular. E por sinal essa é a única coisa que falta para esse ano que parece uma receita sem sal terminar bem: passar no vestibular. De resto, é isso. Nem mais, nem menos. Apenas mais um ano, apenas 2009.

sábado, 7 de novembro de 2009

ser feliz é...

esquecer tudo aquilo que não convém: problemas, tristezas, preocupações, dificuldades e decepções. fácil para uns, difícil para outros. uns otimistas, outros pessimistas. deve ser por isso que eu ando melancólica. eita copo meio vazio que nunca enche. tenha paciência...

sábado, 31 de outubro de 2009

18

engraçado, tenho quase os mesmos sonhos e desejos que eu tinha há uns quatro anos. pena que eu não tenho mais quatorze.

domingo, 18 de outubro de 2009

Um show de sorte

Eu ia fazer 15 anos. E não sonhava com uma festa. Eu gostava de strokes desde os 11. E por acaso eles viriam no Brasil nesse mesmo ano. Eu queria o show dos strokes. Meu pai não levou a sério. Passaram os dias e não compramos ingresso antecipado. Os ingressos acabaram. Chorei muito, sempre jogando na cara do meu pai que a culpa era dele. Ele entendeu o recado. E dia 22 de outubro de 2005, sem nada programado, fomos de ônibus rumo ao Rio de Janeiro. Duas horas e meia de viagem. Nem consegui comer direito naquele dia, acho que eu estava tão nervosa que nada desceria pela minha garganta. Chegamos à rodoviária do Rio e pegamos um taxi para o Cais do Porto, onde seria o show. O ingresso realmente estava esgotado. Meu pai, malandro que só, me deixou na fila e perto do início do show, ele comprou nossos ingressos de cambistas. Pronto, o sonho estava feito. Tinha algo de censura e um cara pedindo carteira de identidade, então eu sai da fila na hora em que ele passou. Nem a censura de 16 anos me segurou. Agora era esperar os portões abrirem. Meu pai disse que era pra eu fazer um lanche lá dentro antes do show. Eu não quis nem saber. Fui correndo para perto do palco. E se não fosse uma baixinha gordinha na minha frente eu estaria na grade. Mas quem liga, eu já estava lá. Mais sorte eu não podia querer. Sem contar que o Kings of leon abriu o show, outro prêmio sem tamanho. Depois lá estavam eles: The strokes. Eu apenas cantei, pulei, chorei e gritei, naquele que julgo meu dia de sorte, o melhor por sinal.

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Pequeno grande prazer..

Meu maior pequeno prazer é comprar. Sei lá, desde presentinhos para meu namorado até o meu objeto de consumo da vez (na verdade tenho uma lista bem grandinha para isso). Isso inclui de sapatos a prendedores de cabelo... Tudo bem que nem sempre eu tenho a verba necessária, então de vez em quando apenas andar e ver vitrines e descobrir novos objetos de desejo me dão ânimo. Ah, sem esquecer do mais fofo de todos, ir todas as tardes na casa de ração perto do meu cursinho ver os filhotes mais bonitinhos e que meus pais nunca vão me dar. Mais ainda sim, me contento em fazer apenas carinho neles e ficar enchendo meu namorado pra me dar um. De qualquer jeito, eu me animo, porque ah, são pequenos prazeres...

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

sei que amores imperfeitos...

na verdade não sei de nada. só sei que amei o show do skank ontem, deu pra fugir um pouco da realidade.
amei, amém.

terça-feira, 22 de setembro de 2009

No, it's not too late, baby.

Desde teorias marxista ou darwinista até um simples curso de maquiagem ou de culinária. Por prazer ou por necessidade... Tanto faz, só não vale ficar parado. Sempre aprendendo e sempre lendo. De notícias a fofocas. Sempre atualizado. É assim que eu espero me manter. Quero saber muita história. Do favelado descriminado até a corte de Napoleão. Cada detalhe de hoje e de ontem. Depois que eu fizer minha faculdade de jornalismo, se eu tiver forças, coragem, quem sabe 30 anos a mais ou até cabelos brancos, não interessa, também vou querer fazer história. Quero fazer história, seja na faculdade ou na vida. Sabe por quê? Porque nunca é tarde para aprender.

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Queime antes de usar

Eu daria cartão vermelho para todas as mulheres que usam calça branca, brincos gigantes de plástico e blusas coladééérrimas de lycra. Isso me irrita muito. Me irrita mais ainda é o fato delas gastarem dinheiro com isso, e o pior, algumas lojas terem isso pra vender.. é deprimente e é brega, pronto falei.

domingo, 13 de setembro de 2009

Só falta crescer

Minha infância não terminou no dia em que eu parei de brincar de barbie. Porque eu me sinto um pouco criança até hoje. Ainda moro com meus pais e me sinto dependente deles para várias coisas. Eu cresci, eu tenho dezoito anos, mas não me sinto como adulta. Minhas responsabilidades se resumem em estudar e pagar a conta do celular todo dia dez (e olha que nem isso eu consigo fazer direito). Acho que se infância é brincar, a minha terminou quando eu tinha onze anos, caso contrário, eu sou criança até hoje. Na minha cabecinha, crescer deve doer demais. Prefiro me considerar uma menina meio adolescente, meio criança. Nem um, nem outro. Mas não totalmente madura. Acho que ainda falta muio para eu crescer. Falta eu descobrir o mundo, falta eu saber o que eu quero da minha vida. Eu me sinto tão imatura para escolher minha própria profissão, como posso dizer que eu cresci? E sabe de uma coisa? Eu amo não crescer. E tive sorte de não precisar crescer cedo. Minha cabeça AINDA é livre de responsabilidades. Sei que isso vai acabar um dia. Mas por enquanto é bom, pois eu ainda tenho tempo para me preocupar com somente uma coisa: meus sonhos!

Das telas para a minha vida.

Tomar bronca, namorar a distância, pagar mico e cair na rua. De dias tristes a felizes. Minha vida com certeza daria um filme. E o pior de tudo é que eu até imagino a trilha sonora. De início eu já morei numas seis casas diferentes na mesma cidade, meu pai mudava quase que de dois em dois anos. E nessas várias casas, já fiquei sozinha muitas vezes imaginando que algo poderia acontecer. Imaginando se eu conseguiria fazer igual ao filme "Esqueceram de mim", armadilhas para pegar ladrões. Quando criança eu imagina minha vida como uma brincadeira, e cresci vendo aqueles filmes em que a menina sempre era não correspondida pelo "garoto" dos sonhos. No fim sempre dava certo nos filmes, mas se minha vida era quase um filme, por que pra mim também não dava certo? Demorou mas aconteceu. Encontrei um cara que me ama e sim, sou muito feliz. Aconteceu como um filme. E (quase) como um conto de fadas nós estamos até hoje. Minha vida continua numa intensa sequência de filmagens, só falta à realização profissional. Mas isso ai já é roteiro para outro filme...

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Minha estima, minha baixa auto-estima

Ando elaborando teses sobre a minha auto-estima. Acho que a minha é influenciada pela gravidade. Vive lá embaixo. E qualquer coisa contribui para isso. Duvidas a respeito do que eu quero fazer e ser na minha vida ou até mesmo um simples espelho naquele dia em que acordamos de cabeça para baixo: com olheiras, espinhas ou com o maior vilão de todos rebelde: o cabelo. Dá pra perceber que minha auto-estima trabalha em vários campos: da minha aparência ao meu psicológico. Sou daquelas que acham que não sabem nada, que não tem nenhuma habilidade e que se sentem horríveis e gordas de vez em sempre. Isso nunca para. Mas tenho que admitir que o mais me ajudou a controlar isso com o tempo foi ouvir de mim mesma e dos outros que eu não sou o lixo que às vezes eu penso ser. Seja falando comigo mesma em voz ALTA (me chamem de louca, nem ligo), ouvindo dos meus amigos e o principal: ouvindo do meu namorado. Não tem nada melhor do que você estar um lixo, acabada e mesmo assim um homem te dizer: "você é linda e eu te amo!". Ah, é assim que qualquer gravidade fica sem forças perto da minha auto-estima.

domingo, 30 de agosto de 2009

De amigo a namorado

Meu melhor amigo se apaixonou por mim. Depois de meses de conversas até de madrugada e risadas incansáveis na frente do computador, ele se declarou. E foi assim que tudo começou. De amizade a namoro. De amigos a namorados. E o que eu acho disso tudo? Ah, sou suspeita. Ainda acho que foi a melhor coisa que me aconteceu. Sabe aquelas propagandas dois em um? Então, eu tenho um namorado dois em um. Amor e melhor amigo. E é muito mais fácil começar a ficar com alguém que você já sabe que tem muita afinidade com você. Já ouviu falar em cumplicidade? Então, acho que é isso que nunca nos faz perder o sentimento de amizade, se já tinhamos antes hoje nem se fala. MEU melhor amigo me ama. E eu posso confiar nele de olhos fechados. Lá se vai, um ano e três meses. E nada mudou. O que muda é o amor que cresce, a amizade que se fortalece a confiança que nunca se perde.

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

It's hard to get up when you're spinning round and round.

na verdade eu cheguei a conclusão de que eu não queria voltar no tempo. o que passou foi ótimo, mas eu fico com o presente. sei que não tenho mais meus amigos por perto, nem sei se alguns ainda posso chamar de amigos, quem sabe colegas, ah, vai saber... não tenho mais certezas, não tenho mais as vontades que eu tinha antes. mas pelo menos agora eu tenho desconforto, dúvidas e não me sinto acomodada. isso é sintoma de que eu quero algo diferente. quero fazer alguma coisa que eu ainda não descobri. quero fazer a diferença e deixar minha marca. o engraçado disso tudo é que eu achava que somente crianças pensavam no que queriam ser quando crescer. não falo de profissão. direito, jornalismo, história ou tanto faz sei lá o que... agora eu quero saber o que eu vou ser quando eu crescer! não ando falando em números de conta bancária e sim na Fernanda. o que eu vou ser quando eu tiver minhas responsabilidades? eu só não quero ser somente mais uma entre os milhões de brasileiros acomodados que existem por ai. porque hoje eu sou um deles. espero que não por muito tempo. porque o que eu mais quero é crescer. e depois, voar...

domingo, 16 de agosto de 2009

Ainda espero resposta...

Meus questionamentos têm andado numa linha quase que filosófica. Quando é que nós percebemos se nossas vidas fazem sentido ou não? Quando é que a vida realmente faz sentido? Eu vivo do jeito certo que se deve viver? Existe um jeito certo para se viver? Um dia acordamos e estamos felizes, de bem com a vida. Outro dia a vida parece injusta e eu percebo o quanto sou sortuda. Alguns dias eu estou estressada, outros deprimida e sempre que eu posso, feliz. Mas ainda sim, qual o sentindo da vida de cada um? Por que eu estou tão viva enquanto outros lutam pela vida? O que eu tenho que fazer pra me sentir realizada? Acho que a única coisa que eu ando precisando é de resposta. Resposta para todas minha duvidas. Mais uma vez eu termino sem o que dizer. Fico com o velho: "eu vou vivendo..."

sábado, 8 de agosto de 2009

Meu nome é Fernanda, tenho 18 anos e tenho que confessar: eu sofro por antecipação.

Já viu pessimismo? Não? Então prazer, eu sou a versão em carne e osso dele. Sou da filosofia de que é melhor estar preparada pra tudo do que sofrer depois. Ou seja, eu sofro por antecipação esperando o pior. Se vier o melhor, ótimo. Se vier o pior, ótimo também, afinal eu já esperava. Tem gente que acha que isso é problema. Eu já acho que é a solução. Odeio me decepcionar, e convenhamos, é bem mais difícil se decepcionar assim. Sem contar que às vezes eu fico tão ansiosa por algumas coisas que no final não dão em nada ou não são o que eu esperava. Sofrer por antecipação não é tão ruim. O máximo que acontece são alguns cabelos brancos precoces e insônia causa do vestibular, ou alguns quilos a mais por doces depois de uma briga com o namorado... Nada demais. É só aquela ansiedade básica. Mas vai, não é tão ruim. Melhor sofrer antes do que depois. Ouça o que eu digo ou depois não venha dizer que eu não avisei. Em tempos de tantos livros de auto ajuda irritantes sendo vendidos por ai, nada melhor do que uma receita caseira para vida. Antes sofrer por antecipação do que ler "o segredo"!

sexta-feira, 17 de julho de 2009

Da sociedade que eu não entendo...

Os problemas dos adultos começam do dia em que eles esquecem que um dia já foram crianças. É nesse dia que eles passam a pensar somente neles e esquecem de cuidar de quem um dia será adulto. Se a infância fosse mais valorizada, talvez os adultos não tivessem problemas. Parar e olhar o mundo com os olhos otimistas de uma criança podem fazer diferença em tempos de tanto pessimismo. O que será do mundo? Não sei. Quem sabe? O tempo passa, o mundo muda, a sociedade envelhece e a pergunta continua por ai: o que será de nós? Aqueles que esquecem que foram crianças e não enxergam que um dia serão idosos. Precisamos de participação para construir mudanças através de um processo. Tomara que daqui 50 anos o dilema seja outro. Espero que todos estejam se perguntando o que fazer com o excesso de bom senso da humanidade, e não o que fazer em tempos de escassez de matéria prima. Seja ela água ou bom senso, dinheiro ou caridade...

domingo, 12 de julho de 2009

"entre o chão e os ares, vou..."

dias azuis são tão cheios de vida que me dão uma vontade imensa de viver de um jeito que eu não costumo. Sabe aquela vontade de viver intensamente, esquecer tudo e simplesmente voar? Pois é, eu sinto uma leveza tão grande em dias azuis que tenho vontade de voar. Vontade de voar para muito longe e de sentir liberdade... Voar bem alto, olhar para baixo e ver como somos pequenos diante desse mundo. Sentir o vento gelado no rosto e do nada, aquela vontade enorme de sorrir. Com o entardecer, olhar o sol indo embora, o azul celeste virando marinho e perceber que o mais importante nessa vida é simplesmente viver.

segunda-feira, 29 de junho de 2009

O engenheiro das minhas opiniões

Sempre gostei de ler e escrever. Mas nunca poesia, pois isso fazia parte do mundo que eu não entendo... Enquanto eu cursava meu terceiro ano do ensino médio, um professor de redação, o Luciano, inventou um projeto de uma revista de poesia e convocou voluntários. Aquilo não tinha nada a ver comigo. Mas uma amiga minha se animou, me animou e logo estávamos lá conversando com o professor. Ele explicou como seria o projeto, como iríamos fazer a primeira edição da revista e anunciou que cada edição teria um poeta de destaque. A revista nunca saiu. Lembro que o Luciano disse que o primeiro poeta seria o Paulo Leminski, pois ele admirava muito o seu trabalho. Ah, eu aposto que você nunca viu um professor de redação tão persuasivo e tão cheio de idéias quanto Luciano. Ele é daquele tipo de cara que tem muita credibilidade no quesito informações, prende nossa atenção e ainda nos faz refletir. Além do que, ele dá aula do que eu chamo de “matéria mais flexível do mundo”. Não era qualquer um falando de um poeta qualquer. Era o Luciano falando do Paulo Leminski. Lógico que eu comecei a pesquisar sobre o tal poeta. E me apaixonei por sua poesia. Não que eu a entenda, eu só admiro e ela me encanta. E o Luciano? Bom, ele ainda é meu professor no cursinho. Posso dizer com todas as letras: ele ajudou e ainda ajuda a montar minhas opiniões sobre os mais variados assuntos. É por isso que eu nunca vou esquecê-lo. Ele planta em mim um pouquinho de si mesmo quando fala. E eu faço questão de fazer isso crescer junto com minhas opiniões. Afinal, ele é o cara. E da forma mais singela, através do meio que ele domina, através das palavras, eu digo: Obrigada, mestre!

segunda-feira, 22 de junho de 2009

- Ela tem estrela no olhar!

A gente não cansa de viver por vários motivos. Cada um com os seus. Uns vivem por Deus ou por sua religião, pela família ou pelos amigos, ou simplesmente pelo instinto. A gente vive. Mas quem nunca teve aquela vontade de desistir? De nunca mais sair de casa, ou de virar pozinho quando alguma coisa não dá certo? Pois é, eu assumo, já quis desistir de tudo. Principalmente desde que o "vestibular" entrou na minha vida. Estresse, correria, olheiras, sono... E ainda sim nem tudo sai como a gente espera ou planeja. Mal tenho tempo pra mim e quando chega o final do dia, parece que ainda faltam horas para concluir tudo o que eu tinha planejado. Então eu sinto aquela mistura de cansaço mental e físico, e aquele frio na barriga pré-prova de vestibular. É ai que eu lembro que junto com o fim do dia e com essas sensações vem a noite. E com ela, estrelas e às vezes até uma lua linda. Eu sei, parece bobeira, mas eu AMO olhar o céu. É como se isso recompensasse meu dia. E por incrível que pareça, isso me trás um sentimento tão bom que eu esqueço de tudo. Como se eu sentisse que somente coisas boas fossem acontecer comigo, como se tudo estivesse perfeito, como se cada minuto de estresse do meu dia tivesse sido válido. As estrelas em especial me dão uma paz enorme. Como se todo dia elas me dissessem: "Vai ficar tudo bem, Fernanda!". E é nesse momento que minhas energias são recarregadas, eu fico pronta para encarar tudo de novo e nunca desistir; porque eu sei que à noite elas vão estar lá em cima, esperando para fazer meu dia valer a pena.

Antes acompanhado do que só

Você está em casa às moscas. Uma vontade do nada brota. Você precisa sair, ir a uma festa, se divertir... Porém seus amigos não podem te acompanhar. O que você faz? Liga para os "Amigos de Aluguel". Deixar de sair por falta de companhia, não deve ser legal. O que teria demais pagar por uma? Pois é, um grupo de amigos criou os "Amigos de Aluguel". Parece muito coisa de desocupado e sim, é verdade. Bom, eu não faria isso. Mas não recrimino quem tem coragem de fazer. Afinal, é só um acompanhante. Não é amizade. Todos nós, sabemos que amizade é muito mais do que isso. Envolve sentimentos (em sua maioria) e laços. No caso, seria alguém para te acompanhar numa determinada situação, uma vez ou outra. Provavelmente uma situação casual.. São negócios, horas. Amizade nunca poderia ser comprada (abro exceção para quem é interesseiro nesse parênteses). Ah, se existe gente afim de alugar amigos para se divertir, qual o problema? Desde que todos se divirtam e sejam felizes, não vejo nada demais. Pra mim, negócios continuam sendo negócios e amizades, amizades. O lance é aproveitar e tentar não confundir as coisas. De resto, antes acompanhado do que só!

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Chega de Saudade

E a saudade de que tanto falamos, anda com saudade de ter um sentido de verdade. A pobre coitada que judia de nós, muitas vezes é judiada. Eu sei, ela não é tão pobre coitada assim. Ela é forte, e quando pega, paciência. Gruda nas nossas vidas e invade todos nossos pensamentos. Isso sim é saudade, é sofrer, é não saber explicar o que estamos sentindo. É vontade de reviver cada momento e ficar para sempre perto de quem amamos. Saudade é nostálgica. Faz lembrar alguém, ou o passado. Se não for isso que você estiver sentindo, não use saudade. Use o velho “sinto falta”, senão o sentimento e a palavra perdem o sentido.

Saudade eu sinto da minha infância, do meu avô... Falta eu sinto de quem nunca foi muito próximo ou de algo que não teve muito significado para mim. E olha que eu sou doutora em saudade. Ano passado namorei o ano inteiro à distância, meu namorado em Curitiba e eu no interior do Rio de Janeiro. Ano passado também terminei o terceiro ano. E esse ano, a cada dia que passa, um vazio enorme cresce dentro de mim.

Sinto tanta saudade do velho terceiro ano. Das aulas, das manhãs e tardes agitadas. A cumplicidade da turma quando preciso e a bagunça sempre necessária.

Hoje eu não vejo mais quase ninguém. É estranho, porque às vezes eu encontro um ou outro na rua, e por causa de tempo ou pressa, mal conversamos. Tenho a impressão de que o vazio que eu sinto, é o fato de que os amigos que conviveram comigo durante toda a minha vida estão virando desconhecidos. Aos poucos. E acho que é por isso que o sentimento de saudade vai crescendo dentro de mim. No futuro, provavelmente quando a gente se encontrar por ai, vamos nos cumprimentar e nem teremos mais assuntos em comum. Só depois é que a ficha vai cair e nós vamos pensar: “saudades do meu tempo de colégio!”.

A saudade vai me acompanhar, vai nos acompanhar para sempre. E eu acho uma pena que nos tornemos desconhecidos com o tempo. Tenho certeza que o vazio que eu sinto, era antes o lugar ocupado pelos amigos que não fazem mais (tanta) parte da minha vida. A solidão que eu sinto dentro de uma sala de cursinho lotada, é a saudade dos meus amigos. Grande parte das minhas melhores amigas eu nem vejo mais direito, o que às vezes dói tanto.

E é isso que eu chamo de saudade.

E quem a usa em vão, não sabe o que está dizendo. Aprendi isso com a vida. Já senti saudade de tanta coisa. Lembro que quando meu namorado estava em Curitiba, a gente conversava e nunca sabia descrever o que estava sentindo. A gente só sabia que era algo muito ruim.

Era saudade.

A cada dia que passa, eu vejo que a nossa sina é viver e sentir saudades daquilo que nós vivemos. Ela é tão única, que é uma das palavras mais difíceis de serem traduzidas para outros idiomas (lembre-se, americanos frios e calculistas só sentem falta!).

Realmente, saudade não é uma pobre coitada. É coisa de quem tem sentimento. Todo mundo sente ela mais cedo ou mais tarde. Só não a confunda com “sinto falta”. De resto, a saudade nos faz crescer. Nos torna fortes. Aprendo e aprendi muito com ela. Quando não a sinto, sinto saudade de senti-la. Ela me faz pensar e me faz sempre lembrar do que a minha vida é feita e como ela foi construída. Por isso, não chega de saudade. Transforme-a em um instrumento aliado de suas lembranças. Sinta mais, pense mais, lembre mais... Dê valor a cada momento vivido, e assim a vontade de viver e ter mais momentos nunca vai perder o sentido!

terça-feira, 16 de junho de 2009

Do mundo que eu não entendo...

Por que ciúmes quando entra na cabeça, é dificil de tirar? Por que a preguiça é maior do que a minha vontade de não ser sedentaria? Por que eu sinto tanto sono quando eu penso em aulas de matemática? Por que um doce tem mais calorias do que uma alface? Por que eu tenho medo de perder quem eu amo? Por que penso tantas coisas que nunca vão me levar a lugar algum? É, por que eu não simplifico tudo? Ser mais paciente, entrar na academia, me esforçar mais em matemática, parar de comer besteiras e dar mais atenção a quem está perto de mim, é muito mais fácil do que ficar filosofando questões que não tem "porque"... Por que será que é tão dificil pensar de uma forma mais exata? Ser um animal racional que pensa muito no emocional é bem dificil nessas horas. Vai entender...

domingo, 14 de junho de 2009

Pecado não! É alimentação.

Eu como. Eu como e como engordo. Mas nem ligo. Ok, eu ligo. Tento equilibrar minha alimentação. Como de tudo um pouco. De coisas verdes que não engordam à doces calóricos que me enchem de celulite. Sim, eu como carne. E acho que seria dificil eu virar vegetariana. Prefiro combinar os dois: vegetais e carnes juntos ficam uma combinação ótima! Dieta? Bem, isso é um caso mal resolvido na minha vida. Como qualquer outra mulher, eu sempre estou no mínimo dois quilos à cima do peso. Até tento fechar a boca, mas as calorias contidas em alguns alimentos me atrem muito facilmente. Um problema sério. Eu só não sou muito gordinha, porque ao mesmo tempo em que eu como coisas muito calóricas, eu também sei que é importante comer coisas saudáveis. Aprendi desde criança a comer de tudo e ter uma alimentação balanceada. A não ser quando eu via chocolate. Devorava e ainda devoro fácil. Meu pecado preferido é a gula. Sim, eu como por prazer. Saber ser saudável e ao mesmo tempo comer coisas que agradam meu paladar, não tem preço.

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Como se eu fosse uma princesa

Hoje eu acordei tarde. Dei uma de Bela Adormecida, mas isso é um caso à parte. Fui até a cozinha e o que eu encontro? Sinais deixados pela minha mãe. Acho que ela tem um jeito todo particular de se comunicar comigo. Por exemplo, estava totalmente visível que ela queria que eu limpasse e arrumasse a cozinha. Vou descrever. A pia estava lotada de louça e a panela de pressão estava cheia de água como quem diz: "já deixei a panela de molho, agora você lava!". O fogão estava com todas aquelas gradezinhas que eu não sei o nome, empilhadas num canto como quem diz: "limpe o fogão!". Tinha uma vassoura perto da porta e um rodo com um pano na ponta, como quem diz: "não esquece de limpar o chão da cozinha também!". Pois é, metade da manhã Bela Adormecida e metade Cinderela... Depois o povo ainda vem me chamar de Branca de Neve. Acho que andam confundindo as princesas. 

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Meu conto de fadas

Sempre idealizei que o namorado dos sonhos seria um príncipe. Não encontrei um príncipe, encontrei o João Felipe. Apesar dele não ser um príncipe, ele tem 99% das qualidades de um. O 1% que falta é o castelo e o cavalo branco, mas convenhamos, para um mundo tão real, já sou mais do que sortuda!

domingo, 7 de junho de 2009

À moda antiga

Sem rodeios lá vou eu: não gosto de cantadas. Por vários motivos. A começar pelo fato de que a maioria é frase feita. E que algumas dão vontade de chorar. Sem exageros. Acho mais interessante uma boa conversa e deixar que tudo aconteça de uma forma mais elegante. Nada premeditado, coisas improvisadas são mais emocionantes. Meu namorado, por exemplo, não me conquistou com cantadas e sim com muita conversa e assuntos que temos em comum. Sou a favor do diálogo continuo e de que o interesse seja demonstrado por ambas as partes. Cantadas realmente nunca me deixariam impressionada. O que me deixa impressionada é o bom humor, a inteligência, a capacidade de dialogar, bom gosto musical (ou seja, parecido com o meu), educação, personalidade... Muito mais do que uma simples frase! Sem contar que cantadas geralmente são superficiais, e elogiam a beleza da mulher. Prefiro acreditar que eu e todas as mulheres que se valorizam, são mais do que um rosto ou um corpo. Cantadas são pequenas e feitas para os homens “pegarem” uma mulher por uma noite, e eu não entro nesse esquema. Sou a favor de relacionamentos que começam com longas conversas e duram muito tempo.

domingo, 31 de maio de 2009

Nasceu um milhão no meu jardim

Dizem que dinheiro na mão é vendaval. Pura mentira. Na minha seria um verdadeiro furacão. Furacão de compras. Se brotasse um milhão de reais no meu jardim e eu tivesse apenas um dia para gastar, sinceramente, eu ficaria perdida. Mas nada que eu não conseguisse realizar. Gastar nunca foi uma tarefa difícil para qualquer garota. Para mim não seria diferente. A começar por três carros, os três que fazem parte dos meus sonhos de consumo: um para viajar, um para cidade e um por pura vaidade. Depois eu iria até uma agência de viagem para planejar uma ida a Europa. Compraria as passagens e reservaria tudo que eu tivesse direito, já que meu dinheiro não poderia durar mais do que um dia no meu jardim. Depois eu iria as compras, roupas, roupas e mais sapatos! Eu não poderia esquecer de ajudar meus pais, eles me aturam e logo merecem um pouco do dinheiro que brotou no meu jardim. Ah, eu também compraria um presente para meu namorado, um carrinho quem sabe. Tenho um sonho de vê-lo dirigindo um sedan. Terminaria meu dia, comprando uma ilha em Angra e levando todos meus amigos, minha família e meu namorado para lá. Onde eu daria uma super festa para terminar em alto estilo o meu dia de compras. Afinal, não é todo dia que nasce um milhão no nosso jardim.

sábado, 30 de maio de 2009

Cadê o valor?

Não sou fã do Crepúsculo, muito menos de vampiros. Não que eu não goste de modas. É só que essa moda não me agrada. Na lógica, não faria sentindo algum eu pagar para beijar o protagonista de algo que não me agrada. O cara pode até ser bonitinho, mas não é só o fato dele estar fazendo sucesso com o Crepúsculo que influenciaria na minha decisão de NÃO pagar para beija-lo. Poderia ser o meu artista preferido, ou algum cara considerado o mais sexy do mundo, mas de qualquer jeito, não rolaria. Pagar por um beijo deve ser tão sem graça, que o beijo deve ficar inexpressível. Um beijo desses deve custar tão caro e ao mesmo tempo não ter valor nenhum. Sou total antiquada. E pra mim, beijo deveria ser mais valorizado. Não com dinheiro, sim com atitudes reais. Acordem tietes, não passa de marketing!

segunda-feira, 25 de maio de 2009

continue a sonhar, sonhar, sonhar... para achar a solução, sonhar!

Nos últimos dias vi tanta informação sobre "sonhos" que comecei a reparar mais nos meus. O pouco que li e vi, percebi que é provado (pode parecer óbvio, mas eu não sabia) que os sonhos têm a ver com nossas rotinas e problemas do dia-a-dia. E é sim verdade, que alguns sonhos podem interferir nas nossas atitudes e por consequência dar aquela impressão de que estamos prevendo o futuro. Como por exemplo, alguém que começou a pintar e tem dificuldade dorme e sonha que está pintando. Logo após o sonho, tenta pintar novamente e sente que começou a desenvolver melhor essa habilidade. É como se durante o sonho ocorresse um encaixe das informações. Como se tentássemos resolver problemas do cotidiano, nos sonhos.

O que mais me chamou atenção foi o fato de que sonhos repetidos ou em lugares repetidos, podem significar que temos algum problema nos incomodando sempre ou simplesmente algo que não conseguimos resolver.

É muita viagem, como se existisse um mundo paralelo a vida real dentro do nosso cérebro. Porque a verdade é que o cérebro nunca para de funcionar. E enquanto dormimos, ele "arruma" tudo o que absorvemos ao longo do nosso dia e despreza tudo o que ele acha "inútil". Acho que é nesse momento que o meu cérebro descarta todas minhas informações sobre física, matemática e química..ok, isso é um caso a parte, mas vai saber...

O que eu sei, é que isso é ciência e eu nada disso sei. O que dá a entender, é que na verdade o que se sabe sobre o cérebro é muito pouco perto do que ele faz. Temos muito o que descobrir ainda. E enquanto descobrem mais, nós continuamos sonhando. Afinal, não há nada melhor do que acordar e pensar: "hum, que sonho bom que eu tive essa noite, podia ser verdade..."! Ou melhor ainda, acordar e fazer algum feito, como montar a tabela periódica! Quem sabe não viramos Mendeleiev's e construimos algo importante? Vai ver, nosso cérebro só precisa de um sonhozinho para organizar uma informação perdida e fazer um grande feito... Só sonhando para saber.

 

 ô uô... listen to the music: better together – jack johnson 

 

até mais, sonhadores!

domingo, 17 de maio de 2009

Tatipolarana, o debate ambiental e os ursos polares

Tatipolarana, sobrinha do Capitão Planeta, é uma jovem branca como a neve que mora na Finlândia. Tem o poder de congelar água e persuadir homens malvados que não ligam para o aquecimento global. Seu maior objetivo é salvar o habitat dos ursos polares do derretimento! Tati, como é conhecida, não tem medo de discussões e vive provocando grandes homens de negócio. Seria a super-heroina perfeita não fosse seu lado emocional, que muitas vezes se derrete como gelo quando encontra algum obstáculo muito grande. Ela vive pela causa dos ursos polares e também de outros animais que dependem da imensidão branca para sobreviverem. Seu maior problema foi quando um homem malvadão, chamado Henritante, cruzou seu caminho. Cheio arrogância e nariz em pé, ele desafiou Tati para um debate. Um debate incrível, em que filtros em chaminés não foram o suficiente para conter os argumentos de Henritante. Tati começou a ficar tão furiosa, que lágrimas congeladas começaram a cair de seus olhinhos azuis. Foi a gota de gelo que fez o copo trasbordar. Tati começou a fazer um discurso sobre a ganância do homem e sobre como a sustentabilidade não anda em prática, que todos em sua volta aplaudiram. Henritante ficou tão sem graça, que derreteu de vergonha. E Tatipolarana, mais uma vez, derrotou um dono de fábrica ganancioso. O próximo passo de Tatipolarana será gravar um documentário sobre ursos polares. A luta de um heroi pela natureza nunca acaba. É reciclada a cada dia!

coração (brega) em ritmo de pagode: carente e apaixonado

Não podemos mandar no coração. Ele é teimoso mas esquecemos certas dores com o tempo. O problema não é o coração teimoso apaixonado.. O problema é a carência! Que garota nunca ficou em casa num sábado à noite embaixo do edredom, comendo chocolate e assistindo filme deprê? É, difícil é não sofrer por amor. A carência sempre fala mais alto, sempre sofremos por causa disso. Todos sempre querem encontrar o homem ou a mulher certa para compartilhar momentos e histórias. O problema é quando não encontramos e ficamos procurando. Quem procura demais não acha. Ou melhor, acha. Mas não o certo. Acha o errado, o duvidoso... Tudo menos o que precisa. E em vez de ficar feliz, acaba sofrendo por quem não devia e aumentando sua carência... Que faz com que busquemos alguém, e às vezes até achamos. Mas não o certo... E tudo vira um ciclo e quando percebemos, andamos durante muito tempo e nunca saímos do lugar. Devemos correr atrás sim. Mas sem ilusões. Acho que o melhor caminho é se cuidar e ser feliz. Depois que estamos de bem conosco a vida se encarrega do resto.. E o resto? Ah, espera que um dia ele/ela bate na sua porta! Se bateram na minha, por que não bateriam na sua?

quarta-feira, 13 de maio de 2009

"aquilo" que não podemos falar o nome

Certos assuntos às vezes são camuflados. Pois muitos têm vergonha de falar sobre aquilo. Aquilo, seja lá o que for, muitas vezes é tratado como algo "terrível". Muitos pais não sabem lidar com isso, o que é o meu caso, nem falamos muito sobre. A minha sorte é que a escola sempre foi muito clara quanto a educação de seus alunos nessa área e meus amigos sempre gostaram muito de conversar. Muitos outros pais provavelmente têm medo de assumir que seus filhos fazem aquilo. Pois aquilo é algo quase alienígena. Tão alienígena que nem podemos pronunciar a palavra, que logo alguns olham com olhos esbugalhados para gente, como quem quer dizer: "que absurdo!". É, por mais que Freud dissesse que aquilo é muito importante e não sai da cabeça do homem, uns tentam fingir que nem existe. Na verdade não precisamos nem de Freud para saber a intensidade da coisa. O triste é que aquilo muitas vezes é vulgarizado, seja através de moças-não-de-família ou da mídia mesmo. Uma pena, pois todos passam por isso um dia, acho que deveria ser tratado com mais naturalidade. Ah, pais deveriam falar mais sobre aquilo com seus filhos desde sempre. Afinal, é só sexo, horas! Ih, falei a palavra. Será que agora também vão me recriminar?

sexta-feira, 8 de maio de 2009

odeio azeitonas.

imagine uma criança com um chocolate super delicioso na mão. agora imagine que esse doce tenha sumido do nada. ou melhor, virado uma azeitona nojenta e gigante. então, a criança sou eu. o chocolate a prova da UFRJ. a azeitona, o novo ENEM. seja o que Deus quiser. AMÉM.

quarta-feira, 6 de maio de 2009

lutando contra o tempo

imagine uma parede transparente. como se fosse uma barreira. agora imagine alguém empurrando essa parede com todas as suas forças. como se fosse alguém empurrando um nada. então, essa parede transparente é o tempo e esse alguém sou eu.

segunda-feira, 4 de maio de 2009

aaaah, se meus pensamentos falassem em voz alta...

porque eles falam, mas falam baixo, dentro de mim, comigo e mais ninguém. se eles falassem em voz alta, eu nem teria tempo de pensar antes deles falarem. e como já dizia o ditado, quem fala o que quer, ouve o que não quer. é, sorte a minha, meus pensamentos só conversam comigo. ufa!

domingo, 3 de maio de 2009

Mundo capitalista? Sou consumista!

Adoro aquela sensação de ''eu comprei roupa nova'', sou super consumista. Tudo bem que ainda não trabalho, quem banca meus delírios de consumo são meus pais. Ainda sim, isso não tira meu olhinho brilhando pós-compras. Tipo comer chocolate. Comprar algo que a gente quer muito, também deve fazer nosso organismo liberar serotonina. Melhor que isso, é comprar aquela roupa maravilhosa e cara, pela metade do preço numa liquidação. Quem inventou a liquidação devia ser alguém ganancioso querendo tirar todo dinheiro de mulheres inocentes cheias de cartões de crédito. Muita maldade. Pois mulheres não resistem a liquidações. Ah, e comprar não se resume a mulheres e a roupas. No subconsciente de cada um, homem ou mulher, de várias formas e estilos diferentes, está gravado que devemos andar bem vestidos, ou manter nossas casas sempre bem arrumadas, nossos computadores atualizados ou nossa coleção de livros cada dia maior... Não tem definição. Somos estimulados pelo mundo capitalista em que vivemos. Então por que resistir? Não acho que seja fuga ou problema. No limite em que compramos de acordo com o que podemos, é saudável sim. Faz parte do nosso contexto e movimenta a economia. Por isso, vamos às compras!

Em vez de proibir, vamos plantar

Vivemos um mundo globalizado. Tudo acontece muito rápido e a cada dia, quebramos novas fronteiras. Porém, mesmo vivendo no capitalismo, cheio de liberalismo, temos certos limites. Na nossa democracia, temos o direito de opinar muitas vezes, outras não. Escolhemos os legisladores, que fazem as nossas leis. Nem sempre eles nos agradam. Um exemplo é o toque de recolher, adotado em algumas cidades de São Paulo. Jovens menores de idade agora têm horário para chegar em casa. E segundo autoridades, o número de crimes envolvendo adolescentes caiu 60%. Para os pais em grande parte é um segurança. Para os jovens, é motivo de revolta. Em parte eu concordo com os jovens, pois se temos direito de sermos livres, o velho direito de ir e vir, por que ter horário para chegar em casa? Em parte, concordo com os pais, pois não saber onde seu filho está até altas horas da madrugada deve ser uma agonia enorme. Essa atitude é meio drástica, do jeito que anda, daqui a pouco existirão leis para tudo. Existem outros meios de reduzir crimes entre jovens. Sem querer ser otimista, nunca é demais lembrar: conversa, apoio dos pais e uma boa ocupação (seja estudando ou trabalhando) põe a cabeça no lugar. Quanto mais ideais forem moldados na cabeça de um jovem, mais brilhante ele será. Pode ter certeza que os que têm algo na cabeça, podem ficar na rua todas às noites até de madrugada, que não vão se envolver em nenhuma atividade criminosa. Afinal, é muito melhor criar um pensamento do que proibir, plantar uma semente, do que cortar uma árvore!

sexta-feira, 1 de maio de 2009

dia do sorvete

Num reino muito distante, vivia uma garotinha, muito branquinha e muito bravinha. Num outro reino muito distante, vivia um garoto, muito magrinho e muito calminho. Os dois se conheceram. O garoto se encantou e ela, ah, se encantou também, lógico! Um belo dia, o garoto foi visitar o reino dela. Durante uma tarde fresquinha, sem nada para fazer, sozinho e no mesmo reino em que a moça estava, ele decidiu tomar uma atitude. Mandou recado por um mensageiro, convidando-a para sair. Um encontro. Quando a garotinha viu aquilo, logo respondeu que sim ao mensageiro. E ela ficou tão feliz, que nem precisou se arrumar direito. Nada de pintar o rosto, ou vestir algo que chamasse atenção. Ela estava tão radiante de alegria, que era a mais bela de qualquer jeito. Não era um encontro qualquer. Era uma degustação de sorvete de menta com ele. O rapaz chegou no horário. A moça atrasou meia hora. Quando os dois se encontraram, foi como se conhecessem há anos. Conversaram naturalmente e sobre tudo. Perfeito. Tomaram sorvete de menta e riram muito juntos. Até que o assunto morreu. E só ressurgiu depois de um beijo. Com gosto de menta. E aquele primeiro de maio ficou conhecido como dia do sorvete. E é comemorado até hoje. ;)

domingo, 26 de abril de 2009

observação

           obs: colocar em prática os velhos clichês: "viva cada dia como se fosse o último" e "nunca deixe para amanhã o que se pode fazer hoje"!

           obs 2: ouvir "new radicals", sem parar, várias vezes por dia.

=)

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Um susto e 30

Acordo e estou com 30. Nem mais gorda, nem mais feia. Apenas 30. Também não mudaria muito dos 18 para os 30. O que mudou foi que acordei no MEU apartamento. Nem grande, nem pequeno. Apenas MEU. Depois andei por ele, e olhei cada canto. Cada detalhe. As roupas que eu usava, meu estilo tinha virado um meio, "não-ligo-para-roupas way of life". Minha vida parecia meio vazia, exceto pela geladeira lotada de doces e a mesinha da sala lotada de papéis. O que me chamou atenção, então fui olhar o que era. Contas, muitas contas atrasadas. E em cima um pequeno papel escrito o telefone do meu primo nerd e rico com um lembrete: "lembrar de pedir dinheiro emprestado". Pensei um pouco e vi que a vida tão romântica que eu sonhava no passado, na vida real vira desastre, e eu mal conseguia me sustentar. Então vi meu diploma de jornalista enquadrado no canto da sala. Eu não estava triste, nem feliz. Apenas acomodada e pensativa. Tinha chegado à conclusão de que o certo teria sido fazer Direito, mas não entendia o que poderia ter dado tão errado. Foi então que... acordei de verdade. E no fim, no vou fazer vestibular e não tenho noção se estou ou não no caminho certo. Ou seja, eu vivo de romances.

Ah, se eu pudesse voltar ao passado..

Eu faria tantas coisas, e iria a tantos lugares e épocas. Passando pelas civilizações antigas, como os Maias, Incas, Astecas; conhecendo também o segredo da democracia grega e a bravura do exército romano. Não deixaria de passar por um jantar no palácio de Luis XVI, o rei Sol e abusar do luxo oferecido. Depois claro, gostaria de conhecer as ideias de Napoleão e sua sede de poder. Passaria pelo renascimento e conheceria os intelectuais que tanto revolucionaram, como Da Vinci. Depois voaria para o Brasil para conhecer um pouco dos personagens do cangaço brasileiro, com muita cautela para não acabar virando vítima de Lampião. Nessa viagem toda, eu não poderia deixar de passar em Portugal lá pelos mil oitocentos e lá vai bolinha, e conhecer Fernando Pessoa, para saber um pouco de sua saudade e suas poesias. Depois eu iria até Cecília Meireles, para olhar nos olhos dela e entender o porque do tamanho pessimismo, das borboletas e das estrelas, que também tanto me encantam. Terminaria minha série de visitas, nos anos oitenta conversando com Paulo Leninski, o último poeta dos meus três preferidos. Voltaria para 2008, e pararia para sempre no dia 22 de Maio. O dia em que meu namoro começou sob a lua. E ficaria por lá, por tempo indeterminado.

quinta-feira, 16 de abril de 2009

realidade fosse sonho

sonho porque preciso, 

assim como vivo porque tenho um ótimo metabolismo.

imagino porque prefiro, 

na realidade, 

é sempre tudo tão igual.

domingo, 5 de abril de 2009

um ser criança

Deixa eu brincar, correr, pular, ter cabelo enrolado e curto, ser feliz e não ter nenhuma preocupação? Deixa eu ser feliz. E por favor, quando eu sonhar, não me acorda.

Grata :)

sábado, 4 de abril de 2009

Jogando Conversa

Às vezes escutamos nossos pais falando que antigamente tudo era bem diferente. Eles brincavam nas ruas, não tinha violência e muito menos apologia a ela. Hoje os tempos mudaram. Violência é rotina, e a minha geração (tenho 18 anos) já não brincou com tanta liberdade na rua igual aos meus, nossos pais. As coisas mudam muito rápido e atualmente alguns princípios são colocados a prova. Atitudes violentas entre jovens e entre jovens e mais velhos aparecem sempre na mídia. Desentendimentos que causam brigas, ofensas e criam preconceitos são frequentes. Acho que o fato de o mundo estar mais violento influencia em tudo, inclusive na nossa mente e comportamento. Muitas crianças e jovens convivem com certas atitudes violentas em casa ou veem na tv, e as vezes até indiretamente absorvem isso. Professores por sua vez não tem obrigação de educar e sim de passar conhecimento. A educação primordial vem de casa junto com o caráter psicológico de cada um. E acho que é ai que está a falha. Não está nos professores, nem nos alunos. Está na falta de dialogo em casa sobre o que é certo e o que é errado. A educação que os pais passam para seus filhos é essencial no crescimento saudável e no potencial de convivência das crianças e dos jovens. Está faltando reunir a família e jogar limpo uma conversa no meio da mesa!

quarta-feira, 1 de abril de 2009

Navegando com Jack

Assumo que eu sempre gostei mais dos vilões do que dos heróis. Seja de novela, filme, seriado... vai dizer, os homens e as mulheres que são vilões são muito mais charmosos. Meus princípios e minhas condutas são moldados de acordo com o que penso, nunca tive necessidade de ter um herói pra me guiar, inspirar... Mas um ante-herói preferido eu tenho. Não é vilão, mas também não é herói. Um homem que só quer aproveitar a vida, beber rum, como um tradicional pirata faz. Apresento-lhes, Jack Sparrow, ou melhor, Capitão Jack Sparrow. Roubando, matando, querendo se dar bem, e no fim só se dando mal, quem nunca riu com ele? Podemos até chama-lo de herói, do mesmo jeito que ele só faz merda, no final ele ajuda todo mundo (nem sempre com boas intenções). Apesar disso, acho que ele cria um pouco de afeição pelo Will na trilogia de “Piratas do Caribe” e mostra que ele tem sim (um pouco de) coração. Johnny Depp está incrível nos três filmes. Acho seu humor espontâneo, um cara com muitas antíteses, que no final acaba sendo uma mistura de herói, vilão, interesseiro e mocinho. É tudo uma questão de imaginação. Quando imaginamos, tudo fica do jeito que queremos. Não tenho um herói de verdade porque eu acho que eles não passam de lendas, você pode criar o seu do jeito que imaginar. Qualquer um pode fazer a diferença e salvar vidas... Jack ajuda, não ajuda? Salva, não salva? Então, ele faz isso tudo do seu jeito, e por isso do meu jeito, no fim, considero ele como meu herói!

quinta-feira, 26 de março de 2009

Tenho Problemas Mensais

Tudo começa uma semana antes, aquele dia em que você acorda indisposta, com cólicas muito fortes, achando tudo uma porcaria e querendo fazer filosofias de botequim sobre a vida: isso chama TPM. Os sintomas podem mudar de mulher pra mulher, mas no fim tudo é estresse e tensão. Já sou estressada e choro fácil, não precisava ter uma TPM tão forte. A minha é ótima, meu Namorado que o diga. É nessa época que a gente mais briga e que eu mais choro, e vice-versa. Eu fico procurando defeito em tudo a minha volta. Fico muito carente, e desconto tudo isso no pobre coitado. Com certeza eu posso dizer que ele é um vencedor, me atura MESMO. Ele já sabe até mais ou menos a data em que ela vem para se preparar. Não me contrariar quando estou na TPM é uma ótima forma de evitar conflitos maiores. Estoque de chocolate no armário, muita atenção e paciência comigo também são essenciais para driblar esse pequeno (grande) problema mensal. Já que é difícil acabar com ele, a saída é tentar saber lidar com isso e desejar boa sorte para todos os homens que tem que conviver com mulheres tepeêmicas! (boa sorte, amor haha)

sábado, 21 de março de 2009

Barbie fala dos 50 anos, da separação e ainda afirma: sou muito mais do que uma boneca de plástico!

Fui atrás da boneca mais famosa do mundo em Miami, onde ela estava curtindo uns dias de descanso e me concedeu essa entrevista. Como sempre, simpática, nos recebeu com um sorriso de orelha à orelha..

Nanda: Está aproveitando bastante a pausa na rotina?

Barbie: Ah, pausa não, eu nunca paro (risos), estou só curtindo uns dias de descanso. Terminei agora meu novo filme que será lançado em setembro desse ano, “Barbie e as Três Mosqueteiras”!

N: Como foram as comemorações de 50 anos? Afinal, são 50 anos de muito glamour!

B: Ah, foram ótimas! Recebi homenagens lindíssimas em desfiles pelo mundo a fora! Parece que foi ontem que eu desfilei pela primeira vez com aquele maiô branco e preto, o tempo passa muito rápido. Porém, melhor do que estou, impossível. Ter 50 é demais!

N: Nessa época de crise e mudanças políticas, a Barbie já parou para filosofar no contexto que o mundo vive e o contexto em que ela vive?

B: Não sou alienada como pensam. A prova disso é que em dias de crise passei a cuidar melhor do meu patrimônio e a diminuir meu consumismo, sem perder o glamour, lógico. Acredito em mudanças. Filosofo sempre sobre o mundo em que vivemos, sou muito mais que uma boneca de plástico! – disse sorrindo.

N: Você não perde o senso de humor, é assim todos os dias?

B: Sempre. Acho que viver sorrindo é o segredo da minha juventude.

N: E o Ken, você tem falado com ele desde a separação?

B: Acabou o amor, não a afeição. Não dá pra parar de falar com alguém que você conviveu durante anos. Foi o amor da minha vida, o respeito muito.

N: E se aparecer alguém novo na sua vida?

B: Ih, querida! Tenho 50 anos e ainda tenho muito pra viver. O que pintar eu assino. Ken iria ficar feliz por mim.

N: Gostaria de deixar algum recado para seus fãs Brasileiros e leitores da Capricho?

B: Aguardem que em breve estarei mais perto de vocês através do meu novo filme! Espero em breve poder conhecer o Brasil!

Terminamos a conversa, e o sorriso não sumiu um minuto de seu rosto. Barbie disse que nos próximos dias estaria em NY divulgando sua nova coleção. Pelo visto ela tem 50, mas não pára mesmo!

Barbie desfilando o famoso maiô nas passarelas de NY em 9 de março de 1959

terça-feira, 17 de março de 2009

singular :)

Defendo a tese de que nascemos iguais (pelados e inocentes) e ao mesmo tempo diferentes. Então vestimos roupas, pensamentos, idéias e finalmente começamos a moldar nossa personalidade. Sempre sujeitos a influencias, afinal nada se cria, tudo se copia, reclicla, remonta, renova.. (mundo contemporâneo e renovável está ai ;). Então nossa personalidade vai buscando um lugar em que ela se encaixe. Um grupo, um estilo... Buscamos apenas estar confortáveis. Cada um com suas preferências, talentos, habilidades... Afinal, bem ou mal somos diferentes, por mais que tentamos sempre mudar algo em nós mesmos (jeito, atitudes, ideais, cabelo, roupas...). Existe um pequeno detalhe em cada um de nós chamado singularidade. Cada um tem a sua (ok, se você ainda não achou a sua, junte-se ao club dos que acreditam ter uma singularidade porém ainda não revelada, hahaha bem vindo ao club!). E por causa dela, nunca conseguimos ficar totalmente iguais. É sim difícil conviver com as diferenças, mas ao mesmo tempo as acho totalmente interessantes. Para uma observadora qualquer diferença basta. Menos “ctrl c + ctrl v” é o que precisamos em nossas vidas. Mais espontaneidade, criatividade e imaginação. Criar nossas próprias expectativas e sonhar nossos próprios sonhos. Conviver com as diferenças e aprimorar nossas singularidades. Assim cada um pode viver a própria vida sem precisar de mudanças extras e preocupações a mais (:

quinta-feira, 12 de março de 2009

"cuz i'm being taken over by THE FEAR"

Medo? Quem não sente medo? Medo do escuro, medo de altura, medo de barata, medo do desconhecido, medo de monstros, medo de vestibular... Eu sofro desse mal, e não sei como me livrar disso. É difícil pensar positivo no meu caso, sou totalmente pessimista. Medo é mais difícil de controlar do que eu imaginava. É dificil controlar ciúmes, certo? Medo de perder está envolvido nisso. Então podemos associar um sentimento chato que é o ciúmes com o medo, e ter noção de que sentir medo não é nada agradável. O que eu sinto não é só um medo do tipo ‘dormir sozinha’. É medo de me dedicar a algo que no final pode não dar resultado. Medo de me jogar e no final não ter uma cama elástica pra pular (bela comparação, mas é mais ou menos por ai o que eu sinto...). Medo é abstrato, mas uma coisa eu posso afirmar: quem nunca sentiu medo que atire a primeira pedra. Aaah, medo é normal, todo mundo sente, todo mundo tem. Já ouvi de uma senhora num filme: “como você pode sentir coragem, senão sentir medo primeiro?”, boa pergunta, né? Então, estou esperando e rezando para meu medo se transformar em coragem. Vestibular não passa de uma prova, certo? Nada demais, pra que medo! Haha... Só ironizando mesmo! Veeeem coragem (to iniciando a fase de pensamentos positivos).

 

ô uô... listen to the music: the fear - lily allen

:**

terça-feira, 10 de março de 2009

"Recriar cada momento belo, já vivido... ir mais, atravessar fronteiras do amanhecer e ao entardecer, olhar com calma então..."

Descansar muito, relaxar o tempo todo, dormir bem, acordar melhor ainda, comer chocolate, sair pra dançar, namorar, cuidar de mim, ler o que eu quero, estudar o que eu gosto, ver filmes repetidos, ingerir gorduras (em excesso), ouvir muita música boa, cantar alto, olhar estrelas, analisar trilhas de formigas, ser criança nas horas vagas, amar mais, brigar menos, sentir frio, embrulhar num cobertor, aproveitar mais o que ganho, dar mais valor ao que perco, sonhar mais, cruzar menos os braços, parar de assistir oportunidades correndo de mim, tomar mais banhos de água fria, olhar mais a realidade, analisar mais o dia-a-dia, comentar mais sobre o que acontece ao meu redor, fazer mais amizades, preservar mais meus amigos, amar mais meu namorado, colocar minha família sempre em primeiro lugar, equilibrar otimismo e pessimismo na minha vida e por ai vai... o negócio todo é ter disposição e equilíbrio, porque de resto, a vida está ai para ser aproveitada como manda o figurino! Tristezas de menos, alegrias a mais, uma pitada de bom humor e um caminhão de fantasias coloridas e doces cheios de açucares! Ando viciada no clichê, viva a vida! E quem não anda? Ah, quem não anda viciado nesse velho clichê, não sabe o que tá perdendo! :)

segunda-feira, 9 de março de 2009

Pique- esconde, esconde-esconde, escondidinho... huuuuuuum

Ah, quem nunca se escondeu no jardim quando criança com aquele amiguinho? Ou começou a ficar com aquele cara e escondeu de todo mundo? Ou então começou a ficar com um garoto qualquer e preferiu esconder? Quem nunca teve uma amizade discreta? Um amor proibido? Ou um caso camuflado? Pois é, eu nunca tive! Deve ser emocionante. Duvido que a Madonna não se divirta com um "mistério" em relação a sua vida particular. No caso dela pode ser mídia (ou não), mas não deixa de ser um excitante esconde-esconde. Esconder por medo, fingir por vergonha, não assumir por insegurança, um relacionamento envolve muita coisa. Celebridades querem preservar a imagem. Mulheres normais às vezes só querem garantir que o relacionamento vá pra frente antes de cantar a vitória. Estou longe de ser uma psicóloga de relacionamentos, e no meu caso nunca brinquei dessa modalidade de pique-esconde, mas sei que tudo tem seu tempo e esconder pode ajudar em alguns casos. Vai saber... Cada um com seu tipo de "brincadeira"! Já ouvi que escondido é melhor, no meu caso, meu namoro anunciado vai muito bem, obrigada! Acho que no final das contas, o que importa é encontrar a felicidade (por mais que ela te faça brincar de pique-esconde). Felicidade encontrada, amor anunciado (ainda que escondido), fica tudo claro dentro de você!

quarta-feira, 4 de março de 2009

Astronauta

                                                

Criatividade é igual ao mar, vai e vem.

Já a auto estima é igual à maré, sobe e desce.

E eu? Eu sou igual à Lua, modifico o mar quando estou inspirada.

Ora terrível, ora belo.. E modifico a mim mesma quando a maré está boa!

Assim sou capaz até de apreciar o Sol, mesmo fugindo dele todas as noites.

Eu não vivo sem sua luz.

Que no final das contas

é quem me inspira, e durante algum tempo, me faz brilhar...

 

É verdade, eu amo a Lua. Noite de Lua pra mim é sorte.

Uma menina da Lua, que muitas vezes é de Lua.

Impossível eu não ser eu...

Sou eu nos detalhes mais simples e até nas palavras que eu nunca disse.

Eu sou eu quando falo, ou quando tomo atitudes.

Eu sou assim, encantada por bobeiras e iludida por sonhos..

Mas vai dizer, que garota nunca sonhou alto?

É por isso que eu gosto da Lua, porque meus sonhos são tão altos que chegam até ela.

 

ps.: foto do sol nascendo em Trindade, semana passada! Tava bom demais :)

 

 ô uô... listen to the music: can’t stand me now – the libertines

 

 

Obrigada mais umas vez pela atenção! ;*