sexta-feira, 17 de julho de 2009

Da sociedade que eu não entendo...

Os problemas dos adultos começam do dia em que eles esquecem que um dia já foram crianças. É nesse dia que eles passam a pensar somente neles e esquecem de cuidar de quem um dia será adulto. Se a infância fosse mais valorizada, talvez os adultos não tivessem problemas. Parar e olhar o mundo com os olhos otimistas de uma criança podem fazer diferença em tempos de tanto pessimismo. O que será do mundo? Não sei. Quem sabe? O tempo passa, o mundo muda, a sociedade envelhece e a pergunta continua por ai: o que será de nós? Aqueles que esquecem que foram crianças e não enxergam que um dia serão idosos. Precisamos de participação para construir mudanças através de um processo. Tomara que daqui 50 anos o dilema seja outro. Espero que todos estejam se perguntando o que fazer com o excesso de bom senso da humanidade, e não o que fazer em tempos de escassez de matéria prima. Seja ela água ou bom senso, dinheiro ou caridade...

6 comentários:

Tata XD disse...

Em tempos de pessimismo como o que vivemos (é fato que ou o capitalismo vai levar todos à morte, ou a gripe suína vai matar a população do mundo todo.. sabe o que isso me lembra? a transição do feudalismo pro capitalismo! as crises do século XIV =O crise econômica, peste negra, guerra dos 100 anos.. Ao invés da guerra, temos as profecias do fim do mundo. Será que é a história se repetindo, fer? ok, parei. =X), o ideal seria todos passarem a enxergar o mundo que nem as crianças, ou pelo menos que nem àqueles que veem o copo meio cheio. Enquanto isso não acontece, use o segredo aí, que eu vou continuar o usando aqui. ^^

Camila M. disse...

A questão é que quando crescemos, a gente acaba perdendo aquela alma de criança, aquele pensamento de criança. E não tem jeito :~

E o mal das pessoas é pensar só nelas mesmas.

um beijo :*

Beatriz disse...

Acho que o mal que separa as criança dos adultos, são as preocupações diferentes, como o dinheiro, quando adultos tudo roda em torno apenas disse, precisam de dinheiro pra isso, pra aquilo, e vem a ganancia e o egoismo, os adultos sempre procuram uma felicidade que acreditam conseguir quando não tiverem mais preocupações, quando na realidade as preocupações afastam, mais e mais a felicidade. Quando a gente é criança não realmente com o que se importar, a não ser com as coisas boas, vivemos com menos coisas, mais com felicidade, que não exige dinheiro nem nada. O mundo gira numa velocidade tão rapida que não dá tempo de muitas pessoas enxegarem o otimismo, é mais facil reclamar do que procurar uma solução, ou pensar positivo.
Amei seu texto. :D

Tha ! disse...

acho que isso também vale para relação adulto-adolescente . minha mãe sempre ue o assunto é TABU ela fala coisas do tipo : " eu tbém ja tive ua idade , já passei por isso ,entãosegue meu conselho" mais quando a questão é meus sentimentos e aquilo que eu quero ela não pensa como se já tivesse passado por esta fase !

adoreii aquii , vou linkar ,OK?
bjoos.

Jessica disse...

Também espero realmente que algum dia tenhamos que nos preocupar com excesso de bom senso.
Mas por hora já nos bastava um olhar infantil sobre a vida.
=)

Patrícia disse...

"Parar e olhar o mundo com os olhos otimistas de uma criança podem fazer diferença em tempos de tanto pessimismo." - eu já fui criticada por isso. Me mandaram "amadurecer".